Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Tire Dúvidas
Início do conteúdo da página

Tire suas Dúvidas

Imprimir
Publicado: Segunda, 16 de Julho de 2018, 16h07

PERGUNTAS FREQUENTES:

Aqui você encontra as perguntas mais frequentes sobre o Parfor/UFPI.

Verifique se sua dúvida ou solicitação pode ser esclarecida com as informações abaixo:

  •  O professor sem formação poderá estudar nos seguintes cursos no âmbito do Plano:
    1. 1ª Licenciatura, para professores sem graduação;
    2. 2ª Licenciatura, para professores licenciados que atuam fora de sua área de formação;
    3. Formação Pedagógica, para bacharéis sem licenciatura.

    Desse modo, além do certificado de curso superior, o professor alcançará formação adequada à sua área de atuação e poderá também progredir em planos de carreira existentes ou que serão criados em seu Estado ou Município.

  • As Secretarias Estaduais e Municipais de Educação podem informar e auxiliar o professor. O mesmo também poderá verificar as instituições participantes no site https://freire2.capes.gov.br/ pelo link previsão de oferta localizado na página inicial.

  • Todos os professores em atividade podem se inscrever no processo de seleção de vagas, sejam eles do quadro efetivo ou mesmo em contrato temporário, desde que estejam em exercícios em sala de aula.

  • A pré-inscrição dos cursos oferecidos pelo Programa Nacional dos Professores será por meio eletrônico no endereço que dá acesso á Plataforma Freire: https://freire2.capes.gov.br/. O professor irá clicar no link currículo do professor preencher os dados solicitados, logo após irá clicar em previsão de oferta pelo qual selecionará o curso e a localidade de escolha.

  • Os cursos de 1ª Licenciatura têm carga horária de 2.800 horas, sendo 400 horas de estágio supervisionado. Os de 2ª Licenciatura têm carga horária de 800 horas, para licenciaturas na mesma área de atuação do candidato, ou 1.200 horas, incluindo as horas de estágio supervisionado, para aqueles que pretendem a licenciatura fora de sua área de atuação.

  • Os cursos serão gratuitos para os professores em exercício das escolas públicas da educação básica e as instituições formadoras receberão recursos adicionais do MEC para participarem do Programa.

  • A oferta de cada estado é discutida no Fórum Estadual Permanente de Apoio à Formação Docente. Nele, as Secretarias Municipais e Estadual de Educação apresentam as demandas de formação de professores de cada rede, e as Instituições de Ensino Superior apresentam suas possibilidades de oferta. Caso não haja oferta no seu estado, procure a Secretaria de Educação a que você está vinculado para mais informações.

  • A prioridade de oferta dos cursos concentra-se nas regiões onde a demanda por formação for mais alta. Nesse sentido, os cursos a distância serão oferecidos pelo Sistema Universidade Aberta do Brasil, em pólos de apoio presencial que já possuam a estrutura mínima para seu funcionamento e estrategicamente localizados para atender adequadamente os professores na região. Haverá também ofertas de cursos presenciais nos campi das instituições formadoras e outros centros estratégicos.

  • Os cursos ofertados no âmbito do Programa Nacional de Formação Inicial destinam-se somente aos professores ativos em sala de aula.

  • As Secretarias de Estado, de acordo com seus critérios e prioridades, validará ou não sua pré-inscrição. Elas poderão levar em conta as áreas que mais necessitam de docentes com formação adequada e também os locais nos quais há grande carência de professores, dentre outros critérios.

  • Após a validação, a IES realizará a seleção dos candidatos inscritos e validados pelas Secretarias de Estado ou Município. Cabe ressaltar que as instituições formadoras têm.

  • O candidato selecionado deve procurar informações diretamente com a instituição que oferta o curso e a Secretaria Estadual ou Municipal que estiver vinculada.

  • Caso tenha sido negada a sua pré-inscrição, o candidato pode entrar em contato com o responsável pela decisão e solicitar explicação sobre os critérios de seleção, cabe ressaltar que as Secretarias devem validar as pré-inscrições com intuito de atender todos os professores dentro dos padrões exigidos pelo programa.

  • Se o candidato selecionado não tiver mais interesse ou disponibilidade em realizar o curso, deve comunicar imediatamente à sua instituição.

  • A CAPES já tem conhecimento e reconhecimento no fomento e avaliação na Educação Superior e agora vai aproveitá-lo na Educação Básica. Sendo assim, o papel da CAPES é fazer com que a Educação Básica tenha um grande avanço de qualidade nas próximas décadas. Para tal, a CAPES, fazendo uso da Plataforma Paulo Freire, gerenciará e acompanhará todo o processo de proposição, inscrição e execução dos Planos Estratégicos dos Estados em parceria com as instituições de ensino participantes. Caberá à Capes também realizar os pagamentos de bolsas aos professores ministrantes dos cursos bem como repassar os recursos necessários à implementação dos cursos.

  • As Secretarias de Educação terão acesso diferenciado à Plataforma Paulo Freire, e poderão verificar as listas dos inscritos, consultarem os dados profissionais, e se pronunciar em relação à aceitação e classificação dos candidatos. As instituições de ensino poderão realizar processos seletivos e deverão informar aos candidatos todas as informações necessárias para sua escolha bem como alteração ou cancelamento de cursos em qualquer parte do processo.

  • As Secretarias de Estado devem realizar e coordenar os fóruns estaduais de educação nos quais se discutem os problemas regionais e se definem linhas viáveis de ação. Por meio das discussões realizadas nesses fóruns, deverá ser elaborado o Planejamento Estratégico do Estado e de seus Municípios, que deverá apontar as linhas de ação para sanar os problemas apontados. Posteriormente, as Secretarias de Estado devem selecionar os professores que necessitam de formação e planejar com as instituições a execução das ações corretivas definidas com vistas a atender as carências de formação docente dos Estados e Municípios participantes.

  • A Plataforma Freire faz a busca dos nomes com base no sistema da Receita Federal, conseqüentemente essa alteração deve ser feita junto à receita primeiramente.

  • Caberá às Secretarias Estaduais e Municipais de Educação, sob coordenação do Fórum Estadual Permanente, organizar a demanda, segundo as necessidades de cada sistema, para que o professor em exercício em sala de aula tenha períodos disponíveis para o estudo.

  • O professor poderá se inscrever apenas no curso correspondente à disciplina em que ministra aulas na rede pública.

  • Para saber informações sobre cadastro e pagamento de bolsista, o professor deverá entrar em contato com o Coordenador Geral na Instituição em que atua. Ressaltamos que a Plataforma Freire não é um programa e consequentemente não fornece bolsa. A Capes não oferece bolsa para professores matriculados em cursos oferecidos pelo Parfor, nem pela UAB, via Plataforma Freire. A Capes oferece bolsas apenas para tutores e coordenadores da Universidade Aberta do Brasil e para os professores que ministram aulas no Parfor.

  • Para troca do perfil de secretário(a) de educação da plataforma freire é necessário que seja encaminhado ao fale conosco localizado no site http://www.capes.gov.br um oficio ou documento comprobatório para que mesma seja efetuada. No caso de concessão de perfil a um responsável pelo programa, este somente o secretário em vigência poderá fazê-lo através do portal da plataforma freire ou nos enviando declaração para tal fim.

  • As instituições e as Secretarias de Estado têm autonomia para definir os critérios de seleção dos candidatos às vagas destinadas pelo Plano.

  • Todos os professores em atividade podem se inscrever no processo de seleção de vagas sejam eles do quadro efetivo sejam eles em contrato temporário.

  • Deve-se salientar que o foco do Plano é a formação de professores em atividade e que a metodologia dos cursos também deve considerar essa situação. Entretanto, caso haja um pequeno número de vagas excedentes, estas poderão ser destinadas à demanda social, desde que sejam atendidos todos os professores interessados e que o direcionamento do curso seja para aqueles que estão em atividade.

  • No momento ainda não estão sendo oferecidos cursos de especialização, mas já estão sendo construídas propostas no âmbito da Diretoria de Educação a Distância da CAPES tanto de cursos nas áreas especificas, como programas como o PNAP - Programa Nacional de Formação em Administração Pública - que objetiva a formação dos gestores públicos, que poderão atuar também em escolas públicas.

  • As Secretarias de Estado devem realizar e coordenar os fóruns estaduais de educação nos quais se discutem os problemas regionais e se definem linhas viáveis de ação. Por meio das discussões realizadas nesses fóruns, deverá ser elaborado o Planejamento Estratégico do Estado e de seus Municípios, que deverá apontar as linhas de ação para sanar os problemas apontados. Posteriormente, as Secretarias de Estado devem selecionar os professores que necessitam de formação e planejar com as instituições a execução das ações corretivas definidas com vistas a atender as carências de formação docente dos Estados e Municípios participantes.

  • A responsabilidade pelo projeto pedagógico dos cursos ofertados é da instituição ofertante. Os cursos devem abordar temas relativos à realidade atual da escola, discutindo seus problemas e perspectivas de ações pedagógicas. Os cursos também devem considerar que professores já formados farão cursos em áreas diferentes e que, por isso, necessitarão de uma metodologia específica para tal aprendizagem. O objetivo é levar para a universidade a discussão dos problemas vividos em sala de aula para que os especialistas acadêmicos possam contribuir de forma efetiva no encaminhamento das questões.

  • De acordo com o Parecer nº 8/2008 do Conselho Nacional de Educação os cursos de 2ª licenciatura são presenciais. O professor que desejar uma segunda licenciatura pelo ensino a distância terá a mesma carga horária da 1ª licenciatura, com dispensa de disciplinas por análise de histórico escolar.

  • O Governo Federal pagará bolsas de R$900,00 e R$1.200,00 para aqueles professores que proferirem, respectivamente, uma e duas disciplinas. Será disponibilizado também, se houver necessidade, recurso em torno de 30% do montante destinado ao pagamento de bolsas para custeio das atividades.

  • A Plataforma Paulo Freire é similar à Plataforma Lattes, e consiste em um sistema interativo através do qual os professores poderão se inscrever em diversos cursos de formação em todo o País. Para tal, basta que o docente se cadastre, inserindo seus dados profissionais para proceder à solicitação das inscrições. Ele efetuará um login e acompanhará todas as ações do Programa.

  • Às instituições públicas cabe, em consonância com os Planos Estratégicos elaborados pelos Estados e Municípios, ofertar cursos visando atender às carências específicas regionais de formação em áreas estratégicas.

  • A CAPES já tem conhecimento e reconhecimento no fomento e avaliação na Educação Superior e agora vai aproveitá-lo na Educação Básica. Sendo assim, o papel da CAPES é fazer com que a Educação Básica tenha um grande avanço de qualidade nas próximas décadas. Para tal, a CAPES, fazendo uso da Plataforma Paulo Freire, gerenciará e acompanhará todo o processo de proposição, inscrição e execução dos Planos Estratégicos dos Estados em parceria com as instituições de ensino participantes. Caberá à Capes também realizar os pagamentos de bolsas aos professores ministrantes dos cursos bem como repassar os recursos necessários à implementação dos cursos.

  • É um investimento inédito na formação de professores em âmbito nacional. Deve-se considerar também que esse investimento é realizado de forma planejada e democrática através de parceria com os Estados, Municípios e Instituições de Ensino Superior Públicas de todo o País que fizeram adesão ao Plano Nacional de Formação de Professores, no contexto do decreto 6.755/2009 que institui a Política Nacional de Formação de Professores. A proposta central do Programa Nacional de Formação de Professores é aumentar, substancialmente, a quantidade de vagas ofertadas nas diversas áreas das licenciaturas destinadas à formação de professores em exercício. É sabido que a falta de formação adequada de professores é um dos grandes problemas que afligem a educação brasileira. Entretanto, outras questões como plano de carreira, condições de trabalho etc, também compõem o quadro. Acreditamos que o caminho para o desenvolvimento de uma nação se dá através de seu desenvolvimento cultural, científico e social, e que o oferecimento gratuito de cursos qualificados para os professores que atuam na educação básica pública é uma forma para melhorarmos a qualidade do ensino que as crianças e os jovens recebem nas escolas.

  • O Programa Nacional de Formação dos Professores da Educação Básica é resultado de um conjunto de ações do Ministério da Educação (MEC), por meio dos Fóruns Estaduais Permanentes de Apoio à Formação Docente, em colaboração com as Secretarias de Educação dos Estados e Municípios e das Instituições Públicas de Educação Superior (IPES), neles sediadas, com fins à melhoria da formação do corpo docente brasileiro.

  • Todas as informações são dados ofertados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Fonte: https://www.capes.gov.br/acessoainformacao/perguntas-frequentes/parfor

 

 

Fim do conteúdo da página